17/12/2013

Três Pirilampos no Natal



Tudo é possível para quem acredita.


Jesus de Nazaré, fundador do Cristianismo (em Marcos 9:23)



TRÊS PIRILAMPOS NO NATAL

 – Ritinha, vamos para a mesa. O comer está pronto. Vai lavar as mãos primeiro!... – diz a mãe, na cozinha, enquanto dá os últimos retoques na refeição.

Passam poucos minutos e a Ritinha mantém-se impávida a tagarelar, no chão do seu quarto.

– Ritinha, não me ouviste chamar? Ritinha?!...

– És uma acelerada, mamã! – Diz a miúda, de forma bem audível.

– Sou uma quê?

– Uma a-c-e-l-e-r-a-d-a! Tu ouviste bem, pois fui clara! – soletrou a criança, dizendo cada nome de letra, tal e qual, pela ordem correta.

O pai levanta-se da mesa e puxa a miúda por um braço e diz-lhe com severidade: – Não ouviste a tua mãe? E um bocadinho de respeito não te fica bem? Há alturas que me fazes perder a paciência!

A miúda mantém a calma, apesar de forçada fisicamente a levantar-se, e responde de seguida, quando a mãe também se aproxima: – Por isso mesmo é que o Menino Jesus está aqui a falar comigo.

– O Menino Jesus? Ai valha-me Nossa Senhora!... Esta rapariga dá comigo em doida! – desabafo da mãe, enquanto limpa as mãos ao avental.

– Sim o Menino Jesus, mas não é o bebé… o que a gente vê no presépio, deitado nas palhinhas… com a vaquinha, o burrinho… e o pastor com o borreguinho… Ele está quase a fazer cinco anos como eu – e levanta a mão, com os dedos esticados, para se ver bem que são cinco, continuando – E olha que ele tem conversas muito interessantes, faz-me companhia e até me faz rir quando vocês… – faz uma breve pausa e continua – vocês… discutem um com o outro. E não percebo… se vocês gostam um do outro, por que discutem?

– Querem ver… só faltava mais esta!... – diz o pai, já a ficar descontrolado – Ela não vem para a mesa e eu, no meio disto tudo, é que sou o mau da fita… querem lá ver! Oh Lúcia, tira-lhe as pilhas que eu já não aguento mais! Trá-la tu, que nós vamos começar a servir-nos. Anda – o João mete o braço no meu e leva-me até à mesa, pois também me tinha levantado e ainda diz – desculpa lá o atraso e tudo isto…

Conheço a Ritinha desde que nasceu, é filha única e sempre demonstrou ser uma criança muito viva e precoce. Acho mesmo que tem “qualquer coisa de especial”. Já me tinha dito que no jardim de infância o aconselharam a levá-la a um psicólogo, para apoio especializado, pois era muito hiperativa e punha os nervos em franja às educadoras. Deu para ver que este almoço de domingo começou um pouco atribulado. Quando nada o fazia prever, a dada altura a conversa azedou mesmo entre o casal. Estamos a poucos dias do Natal e, nesta altura do ano, há um redobrar de stresse. Ambos aparentam preocupação com a questão das prendas e esgrimam argumentos, em que ele não quer passar a consoada com a numerosa família dela e ela não a quer passar com os pais e irmã dele – família do meu lado. Ficarem os três sozinhos também não parece agradar ao casal. Apesar de eu ser um familiar próximo, não deixo de ser um convidado e nada fazia prever que falassem tão abertamente. Espero, depois do que vi, que consiga dar ao João um pouco de esperança e fazê-lo arribar com a perspetiva de uma oportunidade de atividade independente rentável e cujo investimento será, na minha ótica, rapidamente recuperado.

A Ritinha manteve-se calada (coisa rara) até acabar de comer a sopa embalada, comprada no hipermercado, o que fez com muita lentidão, seja para absorver bem a conversa, mesmo que desagradável, porque não era a sopa preferida ou por qualquer outra razão. Então, parecendo-lhe ser a altura indicada, desfere o seguinte, dirigindo-se ao pai – O Menino Jesus ensinou-me que o amor deve fluir, como fazendo parte da natureza, como flui… aquela coisa que anda no ar e brilham muito… vocês sabem… ai… parecem bolinhas de sabão… quando na primavera as árvores dão flor. Sei que não há desejo sem conflito, pois eu gosto muito de chocolates e vocês dão-me umas palmadas nas mãos e ralham, por eu estar a ficar gorda, mas vocês não deixam fluir o amor e estragam tudo...

Estava impressionado com a lucidez e desenvolvimento da miúda, própria de um adulto e mantive-me em silêncio, mas o João não foi capaz e interrompeu-a: – Olha, até a formiga tem catarro! Já disse à tua mãe para te tirar as pilhas! – mandando-lhe um olhar frio e, quem sabe, como que a querer culpar a mulher pela miúda ser como é.

– O Natal é amor – continua a Ritinha, indiferente ao comentário jocoso do pai – embora todos gostem de receber presentes, o Natal está para além das prendas e mais agora que estás sem trabalho. E para mim até é uma chatice! Faço anos no dia 23 e é como se eu e Jesus fizéssemos anos com um dia de diferença. Mas ele já me disse que pode não ser bem assim, porque para os orto… ortod… ai… ortodoxos, o dia de nascimento dele é no dia 7 de janeiro, mas que isso não tem importância nenhuma. Para mim, eu faço numa noite e o Menino Jesus faz anos na noite a seguir, mas é chatice porque vocês sentem que me devem dar prendas num dia e logo no outro a seguir, por ser Natal. Mas a melhor prenda era mesmo o amor…

 – Ei… ei… espera lá! Estás a querer dizer que não gostamos de ti? – mostra-se admirada a mãe.

– Não, não fiques chateada. Não é bem isso. Tu até és uma das melhores mães que já tive. Mas vocês sabem bem que não me queriam…

– Não te queríamos? Que história é essa? – atalha o pai, perplexo, e vira-se para a mulher e diz-lhe – Ouve lá, o que é que andaste a meter na cabeça da miúda?

A Lúcia respondeu-lhe com uma pergunta, mas com ar zangado – Achas??? – Virou-se para a miúda e questiona – Mas eu… EU… sou a tua mãe! Quais mães é que estás para aí a falar?

– Já tive muitas. Acho que umas vinte, mas tinha que contar…

O João vira-se para mim, como que envergonhado, e diz em jeito de desculpa – Já viste isto? Eu dou em maluco! Esta miúda tem cá uma imaginação fértil… mas assusta-me… não sei por quê!

 – Vocês sabem bem! – insiste a criança, mentalmente evoluída e bem adulta, e continua – Eu não quero saber de televisão, jogos de computador, filmes, mesmo de bonecos que mexem… é tudo de um mundo imaginário e eu gosto de brincar à minha maneira, trabalhar a minha imaginação e não pensar como os outros ou com a cabeça dos outros. Vocês andam muito ocupados com a vossa vida. Ignoram-me ou ralham comigo por tudo e por nada. Desde sempre achaste que eu vim cedo de mais e empurraste para a mamã, para ela querer-me ou não. A mamã quis mas anda sempre atarefada. Eu às vezes quero falar, mas o Jesus diz-me para eu não ligar, para não julgar, não criticar… que Deus também não o faz. E diz-me para perdoar e ser amiga de vocês e da Ester do infantário, que às vezes bate-me por eu gritar quando brinco e por não obedecer. Mas quem se porta mal é ela, que devia ser castigada, embora os castigos não sirvam para nada e nem os castigos estão no plano de Deus. Dizemos que ela se chama “estérica”, por estar sempre aos gritos e maldisposta. Eu só não gosto é que me controlem a mente.

– A quê?! Oh João estás a ouvir bem? Também achas que fui eu que lhe ensinei estas coisas? – diz a mãe, que só não aparenta maior admiração por saber a filha que tem, desde que esta começou a falar.

 – Não digo de onde vim, mas vim de muito longe e agora há muitos meninos, como eu, que não querem continuar o vosso passado e receber a vossa educação. Queremos que seja tudo bem diferente, porque o mundo tem que ser diferente, não pode continuar assim e tudo começa nas escolas… – diz a Ritinha, até ser interrompida.

– Ouve lá… oh pirralha! Que mal tem a nossa educação? – diz o pai, a tentar exercer a sua influência.

– Acho que vocês são todos uns medrosos, para não dizer outra palavra mais feia… que foram preparados para obedecer. Ai… desculpa dizer isto… vê só, tu foste despedido e dizes que nem sabes por quê. Não foram honestos contigo e fica tudo bem… A mamã trabalha agora mais, ganha menos dinheiro e vem chateada para casa – deixa-se, por uns instantes, estar fixada no estarrecido pai e depois vira-se para a mãe – Sim, porque eu olho para a tua aura e fico preocupada. As cores estão mesmo esborratadas! Andas fraca, por causa de tudo isto… por causa do emprego, da comida, de não descansares, do stresse e de hábitos negativos. Assim és mais afetada pelas forças exteriores. Queres um conselho?

– Qual é? – diz a embasbacada mãe, como quem está à espera do conselho da vidente.

– Vai até ao lago onde andam os patos, no Parque da Paz, e senta-te um bocado debaixo do salgueiro. Vais ver que as dores de cabeça desaparecem num instante. E olha que o papá não está melhor. Sente-se mal por causa de não ter trabalho, depois complica tudo e não faz nada para se sentir bem. Nem lhe digo as cores que vejo. Se não chover de tarde, vão os dois passear de mão dada até ao Parque e… – vira-se para o pai e diz – senta-te debaixo de um pinheiro para purificar as energias negativas. Se chover, fiquem em casa a ouvir canto greg… greg… ai… gregoriano. Também faz bem e acalma.

Nós os três olhávamos uns para os outros, completamente rendidos, e eu por nada queria interromper aquela espantosa miúda, a fazer-me lembrar os incompreendidos mas espantosos génios que tocam complicadíssimas peças de piano ou de violino, apenas com 4 anos.

Como demos espaços à Ritinha, ela continuou fluentemente o seu discurso – Uma vez falava com o Menino Jesus e ele disse-me para imaginar um pirilampo numa noite escura de verão. Depois disse-me para imaginar o espetáculo dado por milhares de pirilampos todos juntos, deu-me um bocadinho de tempo para pensar… e perguntou-me: “achas que alguém quer saber do escuro?”. Na noite de Natal, não me vou importar com brinquedos. Adorava que nessa noite fôssemos três pirilampos. Oh primo careca, também podes vir – disse, dirigindo-se a mim e continuou – Ai… ai… se houvesse muitos mais pirilampos este Natal seria tão lindo!

© Jorge Nuno (2013)