17/11/2017

CRÓNICAS DO CORAÇÃO DO MINHO (7) - A Morte, o Insólito e a Prostituição

A MORTE, O INSÓLITO E A PROSTITUIÇÃO

Um acontecimento recente em Portugal teve um forte impacto nas redes sociais – difundido a uma velocidade vertiginosa, como se se tratasse de um vírus –, e prometeu criar uma enorme agitação, atingindo, de forma acutilante, elementos do governo, tanto do atual como do anterior.

Esse acontecimento, que tem tanto de insólito, como de leviandade, como revela falta de caráter ou até onde vai a prostituição… levou-me, em surdina, a tentar descobrir o que me levou – a mim – há uns anos atrás, a entrar: em antiquíssimos sepulcros, com inúmeras tumbas e um sem fim de lápides de pedra, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém (Israel); no antigo cemitério judeu, em Praga (República Checa); nos mausoléus da mesquita e do cemitério muçulmano de Konya (Turquia). Será que na altura, tinha ou sentia algum prazer mórbido nessas visitas? Faz sentido que estes locais sejam transformados em locais turísticos, com cobrança de entradas?

Sobre a visita àquele estranho local, situado na encosta a leste da cidade velha de Jerusalém, e da “loucura” dos que agora pagam milhões por um pequeno espaço para serem ali enterrados, retenho uma excelente memória. É um dos cemitérios mais antigos do mundo, com necrópoles e tumbas escavadas em rocha, estimado em cerca de 3.000 anos, contendo mais de 150.000 sepulturas numa vasta área. É espantoso como o Livro de Zacarias, considerado “profeta”, leva a que os judeus queiram ali ser enterrados, no “palco dos acontecimentos finais” e, assim, poderem “ser os primeiros a serem ressuscitados”. O próprio Zacarias terá pedido para ser ali enterrado, admitindo-se que possam lá estar também muitos “notáveis” mencionados na Bíblia. Admirei a persistência do trabalho de investigação, incluindo escavações permanentes, por me parecer tratar-se de um trabalho sem fim, um puzzle aparentemente impossível de completar, por haver sempre peças escondidas. Mas quando se fala de figuras bíblicas, a palavra “impossível” fica desprovida de sentido. Com o clima ameno naquela altura do ano, a vista deslumbrante sobre as milenares muralhas de Jerusalém, os ponteiros do relógio a darem a impressão de que o tempo terá parado… a contemplação era uma realidade e sentia uma enorme sensação de bem-estar geral, tal como já acontecera no Monte das Bem-Aventuranças e no Monte Tabor, na Galileia.

Uma semana completa para visitar a cidade de Praga parecia muito. Puro engano. Muito bem alojado, mesmo “a dois passos” da praça da Cidade Velha, foi um deslumbramento total. Com um programa exclusivamente ao gosto pessoal, visitei tudo o que me parecia interessante. Quase sem saber como nem por quê, depois de visitar o Bairro Judeu, dei por mim a pagar para visitar o antigo cemitério judaico, fundado no século XV, e que “abriga” muitos judeus notáveis. Tem igualmente, numa ala daquele espaço, o Museu Judaico de Praga, que foi ocupado pelo regime nazi e que quis fazer dele o “museu de uma raça extinta”. Terei pensado: “Já que estou aqui… vem mesmo a propósito!”. Na verdade, gastei tempo à procura de um apelido específico, que não encontrei. Esperava encontrar uma qualquer ligação… alguém com aquele apelido que tivesse sido vítima do nazismo e ali fosse enterrado… mas não. Uma senhora magra, de idade avançada, que podia ser sobrevivente do holocausto, prontificou-se a ajudar-me (em diferido e à distância) mas fiquei-me por ali. Ainda hoje sorrio ao lembrar-me que, junto de uma campa, do nada… sem explicação, caiu-me uma lente dos óculos, sem que eu tivesse contribuído para tal!

Konya, cidade no centro da Turquia, desenvolveu-se em torno de um “profeta” – Rumi (1207-1273), poeta e teólogo sufi persa. O corpo deste, encontra-se na importante mesquita, concluída pelo sultão Allaeddin, que tem mausoléus contendo importantes figuras da dinastia Seljuk. O filho de Rumi e seguidores fundaram a ordem sufi, conhecida como a “ordem dos dervixes girantes”. O túmulo de Rumi é ponto “obrigatório” de visita. Tanto aqui, como para os restantes túmulos do cemitério muçulmano, contíguo à mesquita, o guia turístico fez questão de deixar vários avisos, relacionados com a cultura local, tendo em vista a especificidade daqueles espaços onde se honra os mortos.

Naturalmente, respeitei os locais, as tradições e cultura própria naquelas zonas visitadas, e quase que dispensava as recomendações, pois tenho em conta o bom senso. Depois de cada visita, senti que estava mais rico, em conhecimento, e com maior predisposição para aceitar as diferenças culturais.

O Panteão Nacional, em Lisboa, assente sobre a Igreja de Santa Engrácia, terá durado cerca de 300 a construir; daí a expressão popular “É como as obras de Santa Engrácia!”, para referir algo que parece não mais acabar. Além do interesse arquitetónico, encontram-se no Panteão os túmulos de ilustres figuras portuguesas, a quem Luís Vaz de Camões faz referência, in Canto I, de “Os Lusíadas”: “(…) E aqueles, que por obras valerosas / Se vão da lei da morte libertando (…)”, para realçar os heróis imortais. No último dia do importante acontecimento anual, de grande importância para o país, o espaço foi alugado para um jantar com cerca de 400 participantes no Web Summit. Depois de se constatar como alastrou a notícia viral, com um primeiro ministro-ministro a prometer alterar a legislação sobre o aluguer de espaços públicos específicos, quando apenas competia à tutela dizer “não”, caso fosse esse o entendimento, e não foi. O dinheiro terá falado mais alto! Realce para o pedido de desculpas de Paddy Cosgrave, fundador da Web Summit, em que dizia pretender “honrar a história de Portugal”. Relembrou que o jantar foi organizado de acordo com a legislação existente e “com todo o respeito”. Disse mesmo no Twitter: “Sou irlandês. Culturalmente, temos uma abordagem muito diferente à morte. Celebramo-la. Isso não faz com que esta seja a abordagem mais correta em Portugal. Adoro este país como a minha segunda casa e nunca tentaria ofender os grandes heróis do passado de Portugal”.

Jorge Nuno (2017)