01/01/2016

CRÓNICAS DO FIM DO MUNDO (26) - Loucos da Bola

LOUCOS DA BOLA

Nesta fase de transição de ano, seria muito fácil abordar as loucuras que se cometem a pretexto do Natal e da Passagem de Ano, tais como: os exageros alimentares e, particularmente, o consumo de álcool; as roupas, as viagens ou uma simples noite num hotel, onde quase não se chega a dormir; as loucuras cometidas por muitas autarquias com iluminação de ruas e fogo de artifício, a atingir valores exorbitantes...

Loucuras, sempre foram cometidas; umas maiores, outras bem menores, com menos expressão, mas nem por isso deixam de se apelidar de loucuras. E normalmente até começamos bem cedo. Lembro-me de nos primeiros anos da escola primária ter a “pancada” pelos cromos da bola, como qualquer outro miúdo, com uma tendência para “ir ao céu”, quando via e conseguia um cromo em falta de guarda-redes (GR). Como tinha alguma dificuldade em comprá-los, usava subterfúgios com vizinhos e companheiros de escola, entrando aqui a troca – com variação do número de berlindes, caricas ou de outros produtos afins, consoante a raridade do cromo que pretendia –. Era um delírio quando, mesmo sem caderneta, conseguia, entre muitos outros: o Américo (GR) ou o Hernâni, do F.C. Porto; Travassos ou Vasques, do Sporting C. P.; Costa Pereira (GR) ou Cavém, do S. L. Benfica; Vital (GR), do Lusitano de Évora; Serrano (GR) do Torreense; Abalroado, da CUF – Companhia União Fabril (um clube que se manteve na 1.ª divisão durante 22 anos consecutivos e que “morreu” na época de 1975/76, com o acontecimento do 25 de abril de 1974)… Também o clube de futebol da sucursal da Empresa Fabril do Norte – onde joguei (com a braçadeira de capitão) –, após o referido acontecimento também viria a encerrar, tal como a própria fábrica, por ter cessado o apoio, que era dado pelo anterior regime, e pelo crescimento da produção nos países asiáticos. Como curiosidade, a Casa do Operário da fábrica, além do clube de futebol federado, dispunha de uma orquestra típica, um rancho folclórico e de um grupo de teatro, com a sala de espetáculos a ser inaugurada, em 1966, pelo grande Francisco Ribeiro (Ribeirinho). Estas eram saudáveis loucuras, tal como o eram, à época, jogar-se futebol, por amor à camisola, unicamente com um número nas costas e com o emblema do clube na parte da frente, junto ao coração.

No regime salazarista, surgiu a ideia dos três efes – Fado, Futebol e Fátima –, que eram considerados os três pilares do regime, a simbolizar os valores portugueses, mas que muitos acusaram da intenção de desviar as atenções dos reais problemas do país e, outros, chamavam-lhe mesmo o “ópio do povo”. Em 2003, alguns brincalhões apropriaram-se do slogan para dizer que “Fátima” era a Felgueiras (acusada de peculato e de abuso de poder, e posteriormente absolvida), que com o “saco azul”, tanto financiava o partido como o clube de futebol da cidade, onde era presidente da autarquia; que este era o nosso fado (pelas situações recorrentes em inúmeros locais do país) e… acabava-se com um “viva o futebol!”. Também é indiscutível haver uma relação entre Fátima e o futebol, senão vejamos: na procissão das velas, no Santuário, em cada 12 de maio, costuma haver um sentido adeus à passagem da Virgem, com acenos de lenços brancos; já vi isso muitas vezes no decorrer de jogos no Estádio José Alvalade, levando à saída de treinadores como José Peseiro; o grau de exigência dos benfiquistas é de tal modo elevado, a ponto de os lenços serem mostrados aos jogadores e à equipa técnica, mesmo em jogos da pré-época, por alusiva “falta de ideias, soluções e entusiasmo”; como não podia deixar de ser… também no Porto, como bons portugueses, são muito “devotos” e, no último jogo do ano, perante a derrota em casa frente ao Marítimo, brindaram, com lenços brancos, o treinador Julen Lopetegui.

Mas a loucura maior – que já não é só a de loucos por bola, mas de loucos da bola –, aí está, a envolver os jogos (“em casa”) das equipas A de futebol sénior dos três “grandes”, com valores astronómicos anunciados na CMVM!
Contudo, antes quero referir que a Deco Proteste, em 2013, desaconselhou a subscrição de um empréstimo obrigacionista no montante de 45 milhões de euros, intitulado “Obrigações Benfica SAD 2016”, pelo risco ser muito elevado, já que “as contas da Benfica SAD são débeis”. Foi, precisamente, a Benfica SAD a primeira a deixar o país perplexo com o meganegócio com a operadora NOS; vendia, a esta, os direitos televisivos e de multimédia por 400 milhões de euros, por três anos, renováveis até 10 anos, a iniciar na época 2016/2017, incluindo também a cedência dos direitos de transmissão e distribuição da Benfica TV por 3 anos, renováveis até 13 anos; lembra-se que o clube já tem um contrato com a Companhia Aérea Emirates, até ao final de 2017/2018, no valor de 8 milhões por época (podendo chegar aos 10 milhões) devido a publicidade nos equipamentos; no contrato com a NOS ficou de fora a questão da publicidade, o que coloca o clube numa boa posição para renegociação futura.

Para nosso espanto, quase de seguida, F. C. Porto – Futebol SAD anuncia outro contrato, aparentemente, ainda melhor, com a concorrente MEO/Altice; os valores envolvidos são de 457,5 milhões de euros, pelos direitos televisivos e de multimédia por 10 épocas, a iniciar em 2018/19; inclui também publicidade estática, por 10 épocas, e nas camisolas por 7 épocas e meia, a partir de janeiro de 2016, além da cedência dos direitos de transmissão do Porto Canal, por 12 épocas e meia.

Já depois de dados a conhecer os outdoors na 2.ª Circular, em Lisboa, com “Nem Champions, nem Taça, nem cérebro, nem liderança, nem poupança. As mentiras já Doyen. O Sporting está em risco. Acordem!”, visando o presidente da Sporting SAD, e quando se estava à espera de ver um “Calimero” derrotado, vexado, rezingão, a disparar em várias direções, eis que é anunciado mais um fabuloso contrato, aparentemente, ainda melhor que qualquer dos outros dois apresentados pelos clubes rivais. Foi assinado com a NOS, e anunciado o valor de 446 milhões de euros pelos direitos televisivos e multimédia, por 10 épocas, com início em 2018/19, incluindo também a publicidade estática e virtual (que ainda não está regulamentada em Portugal e, como tal, ainda não pode ser considerada legal); a publicidade no equipamento por 12 épocas e meia, a partir de 1 de janeiro de 2016 e a cedência, por 12 épocas, dos direitos de transmissão e distribuição da Sporting TV; simultaneamente foi anunciada a renegociação, com a PPTV – Publicidade de Portugal e Televisão, S.A., de Joaquim Oliveira, dos direitos televisivos e de multimédia para as três épocas, de 2015 a 2018, no valor de 69 milhões de euros, o que pode configurar um encaixe financeiro total de 515 milhões de euros.

Mesmo sabendo que estes valores não estão detalhados e são globais, não deixam de ser números deveras exorbitantes para a nossa dimensão futebolística; mas para que se fique com uma ideia da sua relatividade, cada um destes três “grandes” recebe pelos direitos televisivos e de multimédia, assim como da publicidade, aproximadamente metade do que recebe o último classificado da Premier League (inglesa). Então? As operadoras estão loucas ao fazerem estes avultados investimentos? Talvez não; são empreendedoras e acreditam na rentabilização, revendendo direitos para outros países, em vários continentes, e valorizando o mercado da publicidade. E então os pequenos clubes da 1.ª Liga portuguesa? Para os pequenos (como sempre) sobrará umas migalhas, pois também ajudam ao espetáculo, mas mesmo assim prevê-se que possam receber o triplo do que amealham atualmente. Agora, será bom para todos (e para a própria indústria do futebol), que os respetivos presidentes dos clubes se deixem de loucuras, relacionem-se entre si com civismo, não incendeiem as claques, não se ponham a fazer compras de passes de jogadores de valor e ordenados incomportáveis, e amortizem as dívidas e abatam os elevados passivos, atualmente capazes de levar à falência um qualquer clube, mesmo que histórico.

Malucos por bola? Sempre houve e haverá. Até a minha gata “Ronalda” – assim apelidada, não por associação ao “nosso” CR7, mas ao brasileiro, “o verdadeiro Ronaldo” (como disse José Mourinho, com provocação) – mesmo gorda como está, quando encontra qualquer uma das três bolas ultraleves anti-stresse (que esconde habitualmente) é uma alegria e corre, sofregamente, durante uns bons minutos, para depois retomar a vida pachorrenta de quem só “come e dorme”.



© Jorge Nuno (2015)

Obs.: Crónica a sair amanhã na BIRD Magazine (da UTAD)