10/02/2016

CRÓNICAS DO FIM DO MUNDO (29) - No Quarto com Ela

NO QUARTO COM ELA

Já há três dias que andava ansioso pelo momento. Não é por acaso que eu tinha estes dois livros na mesa de cabeceira do quarto: “Cérebro – Manual do Utilizador”, obra da Dr.ª Sandra Aamodt (da Universidade de Yale) e do Dr. Sam Wang (da Universidade de Princeton); “Descontrair a Mente”, escrito pelo Prof. Dr. Dietrich Langen, falecido em 1980 e, ao que consta, dedicou “mais de quarenta anos de experiência na área da divulgação médica do treino autógeno”. Com estes, procurava, além de exercitar a mente, obter aprendizagem de técnicas de relaxamento, com alguma sistematização, de modo a fazer melhor uso do cérebro.  

Em boa verdade, há cinco anos que recuso ser um sexagenário, por me considerar um sexalescente – e até há quem diga “sexylescente” –, já que está nos meus planos manter-me ativo, sem preocupações quanto ao passar dos anos. Também é certo que podia sentir-me um pouco mais relaxado quando pegava nos referidos livros, mas não contribuíam para me tranquilizar completamente. Experienciava isso ao ver as notícias na TV, particularmente aquelas que considerava um estímulo à minha capacidade de compreensão e/ou um atentado à minha inteligência. Tinha acabado de ver aquela que se reportava ao vírus Zika, alegando que em Portugal estará “montada vigilância apertada nas fronteiras para detetar a presença de insetos que represente ameaça”. Ora, sendo estes tão minúsculos e… aos milhões, fiquei curioso de saber como será “essa vigilância apertada nas fronteiras” para os insetos, quando nem se consegue controlar a meia dúzia de cavalos à solta [para os animais não há fronteiras] que fazem aumentar a sinistralidade rodoviária. Depois, as notícias da Comissão Europeia (CE) sobre Portugal, a fazer-me lembrar Henry Ford, fundador da Ford Motor Company, que disse: – O cliente pode ter o carro que quiser, desde que seja preto; assim, também a CE – que é pouco ou nada democrática, pois os seus membros não se submetem a sufrágio eleitoral – toma decisões, que obriga a obedecer (sob a forma de acordo), mesmo quando não se concorda com as decisões concretas, e argumenta com a “regras europeias” dizendo, sub-repticiamente, que Portugal pode escolher e adotar as políticas que quiser, desde que seja a política definida pela União Europeia.   

Nestas minhas deambulações, para minha satisfação, o tal momento especial chegou. Aguardava-a, pacientemente, no quarto. Reconhecia que me sentia em desvantagem, antes e depois da sua entrada. Logo após ter-me perguntado se estava bem-disposto, apressei-me (não sei se desajeitadamente, pelo modo brusco com que o fiz) a perguntar-lhe onde é que ela queria: – Na cama ou no cadeirão?
Reparei no seu ar jovial, e a sua movimentação indiciava grande à-vontade, como quem está habituada a estas lides. A sua resposta deixava transparecer que estava confiante e, por ser dada de modo delicado, fez com que me sentisse menos constrangido: – Pode ser onde quiser; na cama ou no cadeirão. É onde se sentir mais confortável. Escolha, pois por mim tanto faz.   
Ainda não sei bem por quê, impulsivamente, escolhi o cadeirão. Há dias assim…
Então sente-se e descontraia – disse-me, enquanto exibia um sorriso tranquilo e baixava-se mesmo à minha frente, bem próxima de mim.

Vi então aumentar, exponencialmente, os meus níveis de ansiedade, fazendo agarrar-me com firmeza aos braços do cadeirão, como se estivesse no consultório dentário e já ouvisse o silvar da broca a aproximar-se da minha boca, sem estar anestesiado! Nestas circunstâncias, tudo indiciava que os ensinamentos do Prof. Dietrich Langen não iriam ser absorvidos por mim. De pouco me valeu que este tivesse feito tanto esforço a apregoar como “Descontrair a Mente” e, em vez disso, houve lugar a um turbilhão de ideias, por instantes sem controlo, quando seria suposto sentir alguma tranquilidade, por antecipação. Genuína e estranhamente, admiti que, em vez daquela jovem com atributos, nem me importaria que estivesse ali uma outra mulher, mesmo que quarenta anos mais velha, de corpo disforme, com peito muito grande e descaído, e até aceitaria que ela fosse uma rezingona mal-humorada, verrugosa, de cabelo desgrenhado e aspeto descuidado. Mas, não… tinha bem próximo uma jovem, dinâmica e confiante, e acreditava que esta iria fazer-me soltar. Com esta idade nunca, mas mesmo nunca, tinha passado por situação semelhante.
Perante o meu ar receoso, bem evidente, volta a dizer: – Incline-se para trás, abra mais um bocadinho as pernas e descontraia.
Ela foi de tal modo eficaz que em menos de três minutos, já com os preliminares incluídos, zás!... Estranhamente, acabou por ser muito rápido, entre um misto de uma ligeira dor e de um imenso alívio. Finalmente… a jovem enfermeira retirou-me a algália!

© Jorge Nuno (2016)