09/03/2016

Em Busca das Minhas Pérolas

EM BUSCA DAS MINHAS PÉROLAS

Sonhei novamente… Mais uma dor angustiante, agora prolongada ao ombro, pelo bater da coronha da G3. Acabei de despejar definitivamente o último carregador de balas. Nem me interessa ficar com o tapa-chamas como recordação. Ainda se ouvem ao longe os ecos dos meus disparos e pouco importa se eu consigo, ou não, matar o passado. Basta-me ter a cova aberta, preparada para o enterrar! Fica no ar um “paz à sua alma”, de um passado sem vida e sem cor.

          Sem precisar de ir pelo esgoto, não fujo de terra, em direção ao mar. Simplesmente parto de terra, procurando uma parte funda do oceano, onde irei mergulhar para trazer as minhas pérolas. É aí que está a serenidade que preciso, nesse negro escuro, onde melhor vejo a minha luz interior.

Quando regressar, levitarei sobre as águas, porque eliminei todo o peso que me oprimia. O sal ter-se-á encarregado de diluir as mágoas, desilusões, culpa e emoções reprimidas, numa drenagem psíquica há muito desejada, mas sem a necessária força interior para antes o conseguir.   

Pouco importa a cor do céu, a lua cheia, as tensões de um mundo incerto ou o que possa influenciar ou agitar as minhas águas… Não é preciso ter êxito total nos propósitos e muito menos à custa de favores especiais. Basta pensar e valorizar o esforço despendido na busca das merecidas pérolas. É a dádiva da vida, que se torna abundante, quando nos tornamos gratos.

Quando chegar a terra, carregado de um novo combustível da existência e contigo à minha espera, é hora de saborear. Sei que os problemas não fugiram, mas sei que finalmente ficarás a conhecer o meu sorriso, porque, agora sim, sentirei paz no coração!”

Trecho de um trabalho de prosa poética, elaborado pelo personagem “Filó”, no romance “As Animadas Tertúlias de Um Homem Inquieto” (que completa agora 3 anos), de
© Jorge Nuno