16/07/2016

CRÓNICAS DO FIM DO MUNDO (39) - Crónica: "Dia do Ser Humano"

DIA DO SER HUMANO

Quando chega o chamado Dia Internacional da Mulher, ano após ano, vai-se ouvindo dizer, por ignorância, convictamente de forma sentida, ou em tom de brincadeira: “Também devia haver o Dia do Homem!”. Pois bem, foi mesmo instituído o Dia Internacional do Homem, com o apoio da ONU, devendo-se, tal facto, a vários grupos de defesa dos direitos masculinos que quatro continentes. É comemorado, em mais de 70 países, desde 1999, no dia 19 de novembro. No entanto, o Brasil já se tinha antecipado em 1992 e continua a comemorá-lo no dia 15 de julho, sendo, estranhamente, uma iniciativa da Ordem Nacional dos Escritores. Como alguns dos objetivos principais desta comemoração, pretende-se:
– promover modelos masculinos positivos (onde se incluam “homens do dia-a-dia cujas vidas são decentes e honestas”);
– comemorar as contribuições masculinas positivas para a sociedade, comunidade, família, casamento, guarda de crianças e meio ambiente;
– concentrar sobre a saúde do homem e seu bem-estar social, emocional, físico e espiritual;
(…)
– criar um mundo melhor onde as pessoas possam sentir-se seguras e crescer para alcançar o seu potencial.

 Um dos co-fundadores do Dia do Homem no Brasil – Edson Marques – pretendia mesmo que se alterasse o nome para “Dia+Noite do Homem Livre”. Sem querer desvirtuar a ideia, o título parece insinuar que o proponente provavelmente quereria, ao menos uma vez por ano, que houvesse uma festa do tipo “despedida de solteiro”.

Após o surgimento da instituição do Dia do Homem, logo apareceram textos caricatos, embora com verdades (na ótica do homem heterossexual) e algum humor, como seja:
“Ser homem é:
– ter de reparar na roupa nova dela e ter de ouvi-la dizer que está sem roupa, quando o problema é onde colocar novos armários para colocar mais roupa;
– ter de ignorar completamente que ela está com um pouco de celulite ou jamais dizer que ela engordou, mesmo que isso reflita a verdade;
 – ter de reparar que ela cortou o cabelo, mesmo que seja só 1 cm;
(…)”
Como homem, e apenas com a finalidade de desenvolver a ironia criativa, acrescento mais umas achas nesta fogueira, que parece sem fim:
– ter de reparar que ela mudou a tinta do cabelo de Imédia Excellence Fashion Paris 2.160 Preto Couro para Imédia Excellence Fashion Paris 1.101 Preto Alta Costura;
– ter de reparar que ela mudou as unhas de gel de cor azul marinho+turquesa, para nail art azul geométrica, já que na anterior muda não reparou que as tinha em tom azul com glitter.

No seguimento da criação do Dia do Orgulho Gay, também um vereador, da prefeitura de São Paulo (Brasil), propôs e foi aprovada a criação do Dia do Orgulho Hétero. Segundo o próprio, teria a pretensão de contribuir para conceder os mesmos direitos que os grupos homossexuais conquistaram aos heterossexuais. Poucos dias depois, o prefeito de São Paulo disse que iria vetar a criação do Dia do Orgulho Hétero, já que para ele este projeto era desprovido de sentido, pois “o heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre descriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos”.

Em contraste com a opinião do prefeito de São Paulo (Brasil), o atual ministro-adjunto no governo português – Eduardo Cabrita – em afirmações recentes, mencionou o Relatório Anual de Segurança Interna 2015, que aponta para que haja em Portugal “cerca de 15% de homens vítimas de violência doméstica” e anunciou que irá ser criada (como projeto-piloto) a primeira casa abrigo para homens, com capacidade para 10 vítimas. Obs.: Atualmente há, em Portugal, 37 casas abrigo para mulheres vítimas de violência doméstica, a viver em situação precária e a precisar de apoios diversos; prevê-se a inauguração de mais 3, a curto prazo; algumas dessas casas destinam-se, exclusivamente, a acolher mães solteiras, grávidas e mulheres separadas com filhos.

Nestes tempos conturbados, de confusão, com tanta “capelinha”, tanta violência e falta de elevação, se se sente necessidade de criar, manter e comemorar um Dia especial, como forma de chamar a atenção para algo, então poderá estar na hora de criar sinergias e deixar cair o Dia do Homem, da Mulher (incluindo a Africana), da Criança, do Orgulho Gay, do Orgulho Hétero, da Consciência Negra, do Deficiente (seja Mental, Físico, Visual, Auditivo…), do Doente (seja de Alzheimer, com AVC, Coronário, Renal…), do Atleta (seja Profissional, Olímpico, Paralímpico…), do Escritor (…). Em substituição destes múltiplos “Dias de Qualquer Coisa Relacionados Com o Ser Humano” proponho que se crie, simplesmente, o Dia do Ser Humano (enquanto existir motivo para tal)!

Tudo será mais fácil se cada ser humano tiver uma maior predisposição para aceitar as diferenças, sejam elas de sexo, raciais, de crenças…, pelo que deixará de haver necessidade de se gastar energias em lutas contra discriminações ou estereótipos criados ao longo dos tempos e que assimilámos. O caso mais flagrante: Homem e Mulher representam as diferenças que se completam. O Dia do Ser Humano até poderia adoptar como intenção única: “criar um mundo melhor onde as pessoas possam sentir-se seguras e crescer para alcançar o seu potencial [com condições para dizer SIM ao seu coração]”. Bastaria que mudássemos só um pouquinho a nossa postura e o planeta Terra pareceria outro, bem melhor. Mas isso implica transformações pessoais, onde entram palavras e atos como Simplicidade, Cooperação, Amor.

A humanidade está perante fortes desafios e até as palavras acabadas de citar parecem desprovidas de sentido, perante mais um ato de barbárie no sul de França, que originou 84 mortos, em dia que se comemorava a Igualdade, Fraternidade e Liberdade, ou do uso da força militar na Turquia – um grande país, de enorme importância estratégica, que tem o segundo maior exército da NATO e forte ligação ao Ocidente – para que, com o golpe de estado, pudesse destituir o governo e o presidente Erdogan, que para uns é acusado (suavemente) de exercer uma democracia “musculada”, para outros – os militares revoltosos, opositores e povo curdo –, Erdogan “impôs um regime autoritário de medo”, sendo que, pelos relatos que nos chegam, esta tentativa de golpe de estado já se traduz em mais de 200 mortos, entre militares e civis, e a prisão de cerca de 1500 militares.

© Jorge Nuno (2016)

  Obs.: Crónica saída hoje na BIRD Magazine (da UTAD)