11/10/2012

Acho bem... Acho mal...



ACHO BEM… ACHO MAL…


Foi anunciado que “O que é Nacional é bom!”
Era um possível rumo, uma onda positiva em que alinho.
Viram-se bandeiras nas janelas, cantou-se o hino em alto tom.
Em torno de um desígnio, alimentou-se a esperança do Algarve ao Minho.
Achei bem, porque eu amo a minha Pátria.

Agora as bandeiras estão nas lapelas, mas no povo ausente.
Os ventos tomam outros rumos, muito sai mal, pouco sai bem.
Mesmo assim quero ajudar, remando contra a corrente,
Ajusto as velas, tomo iniciativa, alerto, como convém.
Acho mal e acho bem, porque eu amo a minha Pátria.

Vende-se ao desbarato, tudo o que dá lucro.
Pagam-se altíssimos juros, que são um estupro!
Como as minas estão paradas e o setor do aço foi embora…
Até para fazer a vil moeda… o metal vem de fora!
Acho mal, porque eu amo a minha Pátria.

É julgado o sem-abrigo que furtou polvo para comer,
São ilibados magnatas de outros “polvos”, que desviam até mais não querer.
Encerram-se escolas, acaba-se com o emprego, desertifica-se o interior,
Como solução, manda-se emigrar… nem cá fica o senhor prior!
Acho mal, porque eu amo a minha Pátria.

Destrói-se o setor das pescas e o pescado é importado,
Criam-se planos para a agricultura… e o campo está despovoado.
A cebola vem de França, o alho vem de Espanha,
Tal como os morangos, as verduras e a castanha.
Acho mal, porque eu amo a minha Pátria.

Temos moldes em Leiria e o plástico vem do Oriente,
O trigo e a carne vêm das Américas, de trás do sol poente.
As confeções vêm da Ásia, não do Vale do Ave.
Quem vivia menos bem… já nem sequer tem a cave!
Acho mal, porque eu amo a minha Pátria.

Sou homem de fé, as aparições deram-se cá, mas é para eles uma mina…
Pois até a imagem da virgem que brilha no escuro… vem da China!
Sou crente e acredito no meu País. Não sou homem que desiste!
No entanto, das duas uma: ou eu não estou na minha Pátria,
Ou a minha Pátria já não existe!

                                                                                                                                                                                                       Jorge Nuno [2012]