03/06/2015

Invocação de Musas

INVOCAÇÃO DE MUSAS

Não quero remendar a dor na escrita,
E transportar, de dentro para fora,
Energias em busca de sentido.

Não sei se consiga invocar Calíope,
Com poder de transformar as palavras
Num turbilhão de poesia épica.
Talvez Polímnia ouça a minha prece
E lance tais feixes de luz dourada
Que revelem no papel o sagrado.
Quem sabe… Erato esteja disponível
E transforme fogo de romantismo
Em ternurentos poemas de amor.

Bastou falar de amor e o teu olhar…
Para ver que há tempestades perfeitas
E és a minha a fonte inspiradora.


© Jorge Nuno (2015)