21/09/2013

À La Carte



Ninguém nos aconselha tão mal como o nosso amor-próprio, nem tão bem quanto a nossa consciência.



Mariano da Fonseca [Mariano José Pereira da Fonseca], Marquês de Maricá (1773 – 1848)

Escritor, filósofo, intelectual e político brasileiro, tendo exercido os cargos de ministro da Fazenda, conselheiro de estado e senador do Império do Brasil, de 1826 a 1848.



À LA CARTE



Honestidade é transparência

Ideal é sedução

Culpa é tormento

Imobilismo é paralisia

Ganância é demência

Negatividade é projeção

Aceitação é desprendimento

Intolerância é fobia

Assertividade é firmeza

Coragem é magnificência

Tédio é vazio

Ousadia é mudança

Generosidade é nobreza

Negação é cegueira

Egoísmo é usurpação

Dádiva é alegria

Ódio é sufocante

Entusiasmo é criação

Meditação é calmante.



Refeição não é menu

E não é “à la carte”

Que me alimento

No sentido de paz.

No vórtice da criação

Aceito-me como sou,

Com virtudes e defeitos,

Sem esperar ganhar

Nem recear perder.

Mantenho pensamentos de vigília,

Visão interior de perceção,

Disponibilidade de aprendizagem

Sem sabedoria forçada

Ou encapuzado de zelote.

Como ser integral

Quero consciência sem escolha,

E simplesmente…

Libertação de endorfina

Na conectividade com a fonte,

Agradecendo o que sou

Pelo equilíbrio conseguido.



© Jorge Nuno (2013)