24/01/2014

Oops!

Oops! - óleo s/ tela 40x40, Jorge Nuno (2007)

Não é a ilusão, para o pensamento, uma espécie de noite que povoamos de sonhos? A ilusão abre então as asas, transportando a alma para o mundo da fantasia.

Honoré de Balzac (1799 – 1851)
Escritor e dramaturgo francês, fundador do Realismo na literatura moderna. A frase citada provém da sua obra “A Bolsa”, tal como: não devemos julgar as pessoas pelas aparências e esta sua obra lança uma luz bem surpreendente sobre o mundo da pintura.

OOPS!

Desnuda, sentes-te livre
E eu um inesperado voyeur.
A tua mão, hirta,
Devolve-me parte da espuma
Do copo a transbordar de amor
E eu, inconscientemente,
Levo a mão à boca.
No aroma do teu corpo
Encontras resquícios
De fragrância fougère
De lírios do vale
E eu, no meu, o odor
Do suor de prazer.
A tua pele suave
Reflete o teu próprio brilho
E eu deixo-me ofuscar por ele…

Enquanto te tocas suavemente
E eu vivo inesquecíveis sensações,
Ouço uma voz interior a sussurrar:
“Parece o filipino… parece o filipino!...”
Hesito… Não acredito que desnuda
Não sejas quem eu penso!
Oops! Será que és mesmo o filipino
Ou serás um ser andrógino?

© Jorge Nuno (2014)