25/06/2012

Animação em Tempo de Festas


ANIMAÇÃO EM TEMPO DE FESTAS

Estranho o povo animado…
Mas rejubilo com o povo animado!
Ajuda à festa a iluminação e seus motivos.
O fogo-de-artifício e o lançamento de balões…
São as rusgas, na sua expressão genuinamente popular,
O carro das ervas,
O carro do Rei David,
O carro dos Pastores,
O folclore patente nos cortejos etnográficos,
As bandas de música, a rigor, a tocar a mourisca,
Os cabeçudos e gigantones, que deliciam há gerações,
Os ágeis grupos de Zés-P ’reira que atroam pela cidade,
Os grupos de cavaquinhos e concertinas,
Os animados cantadores ao desafio,
E outros grupos de música popular...
Em contagiante animação,
Que faz trautear brejeirices,
Agitar a anca ou suar de prazer na dança.
Estranho um povo que parece incapaz
De reagir perante as gritantes injustiças.
Um povo que parece incapaz de dizer basta!
Mas um povo, que tonificado pelo fervor religioso,
Aprendeu a sorrir para a vida,
Mesmo que ela lhe seja madrasta!          

Braga, 23 de junho de 2012
            Jorge Nuno