18/06/2012

Mais poemas, não! Que chatice!


Foto "MostrarImagem.php", de projetoelos.com.br


 Mais Poemas, não! Que chatice!

 Ai, mais poemas, não!... Que chatice!
Porquê as rimas, quadras, sonetos, écoglas, odes,
Tenções, pranto, lais, gestas e até cantigas de vilão…?
Porquê a poesia existencial, lírica, social e até mística?
Abordar o amor… amor… amor…
Como tanta gente faz!
Ou cantar a Natureza, as crianças, os animais,
A alegria, a gratidão, a bondade, a felicidade,
A fé e a divindade, numa poesia celestial infinita,
Ficando de paz com os anjos e com os homens!
Sei que o mau-humor não modifica a vida.
Que a minha irritação não resolve problemas.
Sei que a minha dor não impedirá que o sol brilhe,
Nem a minha tristeza iluminará caminhos!
Lembro-me da oração de S. Francisco,
Das sábias palavras de Gandhi,
De Madre Teresa, de Luther King…
E do efeito das do Zeca, em tempos de escuridão.
Mas porque sei que o grito que espalho é paz que sinto,
Mesmo que me afaste dos homens,
Porque não admito a supremacia do mal
E porque a sensibilidade me agita…
Raios… mais poemas, sim!

Bragança, 18 de junho de 2012
Jorge Nuno

In "Horizontes da Poesia IV", Coletânea 2012, Ed. Joaquim Sustelo. ISBN978-989-95626-8-4